Presidente repete fórmula bem-sucedida na campanha eleitoral e satisfaz público que lotou o Municipal

RIO – Ele mudou pouco desde a época em que fazia campanha e empolgava as massas nos Estados Unidos, com a sua promessa de um mundo melhor. Quase três anos depois, já desgastado por um governo impopular e iniciando uma nova guerra, Barack Obama mostrou que ainda tem o charme de um rock star e o talento de um encantador de serpentes, ao discursar para um público vip no Theatro Municipal do Rio, salpicado por representantes do movimento negro e de frequentadores de projetos sociais.

Vestido com a sua clássica camisa branca engomada e sem gravata, um pouco mais magro e com seu eterno sorriso, ele deixou em todos a sensação de que sua passagem por ali era um momento histórico.

— Não dava para perder isso — exclamou o diretor da Editora Objetiva, Bob Feith, repetindo as palavras ditas um pouco mais cedo pela cantora Alcione.

O pessoal adorou. De Henrique Meirelles, a nova autoridade olímpica, a Abdias do Nascimento, o decano do movimento negro, passando pelo senador Eduardo Suplicy e por Jaciara da Silva, do grupo da terceira idade de Bangu. A ex-candidata Marina Silva criticou a falta de ênfase a medidas contra o aquecimento global, e o presidente do Olodum, João Jorge, reclamou que ele não deu um apoio explícito à ambição brasileira de ter um lugar permanente no Conselho de Segurança da ONU. Mas, ressalvas à parte, todos se renderam ao carisma de Obama.

O discurso do presidente parecia feito sob medida para os cariocas, e era. “ Alô, Cidade Maravilhosa, boa tarde para todo o povo brasileiro”, gritou ao entrar no palco saudando uma ou outra pessoa da plateia. Os gestos e palavras de Obama, que soaram originais e graciosamente espontâneos, na verdade seguiam uma fórmula, repetida milhares de vezes, na campanha de 2008, no palanque de grandes cidades ou em pequenos auditórios, sejam eles nos Estados Unidos ou no Brasil. Disciplinado, Obama mantém um controle absoluto de sua imagem. Parece que improvisa mas repete sempre a mesma mensagem, recheada de referências locais —- a cidade abençoada por Deus, de Jorge Ben Jor, ou o bolo de laranja de Kansas City — e, inevitavelmente, relembra as suas raízes multiculturais que fazem dele um símbolo do sonho americano.

“O Rio é ainda mais bonito do que no filme que a minha mãe viu”, disse, contando de novo a história de que “Orfeu Negro” foi inspiração para a mãe se apaixonar pelo seu pai, um negro do Quênia. “Ela jamais poderia imaginar que eu viria aqui pela primeira vez como presidente da América.”

— Ele é inspirador, sinto como se tivesse aprendido uma lição — disse Júnior, do AfroReggae, um dos responsáveis por povoar com rostos das comunidades cariocas o templo da elite carioca.

Obama foi puro charme ao dizer para os cariocas que voltará ao Rio nas Olimpíadas de 2016 e elogiar a ação da prefeitura e do governo do estado na favela que acabara de visitar.

“As pessoas têm que ver as favelas não com pena mas como fonte de engenheiros, advogados, médicos com soluções globais para o Brasil”, disse, para alegria do governador Sergio Cabral e do prefeito, Eduardo Paes, que junto com o embaixador brasileiro em Washington, Mauro Vieira, assistiam ao discurso de camarote. Um pouco mais atrás, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, era só sorrisos.

— Ele tocou nas questões mais importantes da alma brasileira — disse Abdias do Nascimento.

Foi na trajetória de Lula e Dilma, de luta pela liberdade e de uma vida melhor, que Obama foi buscar os exemplos de “yes, we can”.

— No fim e no fundo, é a nossa história que nos dá a esperança de um mundo melhor — afirmou.

Mas “o cara”, que mais uma vez deixou a plateia em êxtase com suas palavras de esperança, cometeu um único engano, ao citar o escritor errado para concluir sua mensagem: “É por isso que acreditamos nas palavras do Paulo Coelho: com a força do nosso amor e vontade, podemos mudar nosso destino”, disse.

A sofisticada plateia recebeu com frieza a frase do mago, mesmo ao ser reforçada pelo político mais midiático do planeta. Mas, depois do “muito obrigado ” de Obama, todos estavam contentes e enlevados, como na saída de um grande espetáculo.

Helena Celestino – 21/03/2011