Jorge sobre Jorge

normal_jorge_ben

Jorge Mautner
em Em Mitologia do Kaos – v. 2, Jorge Mautner – Ri

O poeta e músico Jorge Mautner filosofando sobre Jorge Ben Jor, em seus “Panfletos da Nova Era”, de 1980.
Jorge Ben, alquimista, sábio, que sabe ser a mitologia negra em igual valor-poder-potência-qualidade-relevância à mitologia dos Antigos helenos que em vão a Alemanha e toda a Europa tentaram imitar. (…)

Jorge Ben e seu Flamengo, seu futebol, suas mulheres com nomes de flores, sua mitologia absolutamente popular, urbana & cósmica, sensual e ideogrâmica “chove chuva, chove sem parar”. Um paradoxo harmonizado: revolucionário e machista!

Sorridente como todos os superiores crânios, da cultura negra do País de cultura nascente, é um tranquilo navegador de oceanos por vezes hostis (como quando de seus inúmeros boicotes por parte desta mesma inteligentzia (burrítzia?) nacional na época da jovem guarda, etc.). Sua imediaticidade direta ideogrâmica ao invés de ser estudada e respeitada foi ridicularizada como “oportunismo”, evidente projeção destes colonizados e complexados escribas acadêmicos para cima de Jorge.

Sábio, naturalmente participante desta cultura nova equivocadamente batizada pelos inimigos de “inferior” “primitiva” “oportunista” “superficial”, sempre confiou em sua intuição soberana. Já intuiu há tempos atrás o soul music, o disco, e foi um dos primeiros a sincretizar o rock, mais do que Roberto Carlos ou Erasmo, em sua definitiva e profunda aparição nacional contemporânea. Por vezes exagerado em sua facilidade de comunicação imediata com os mitos e atmosferas da nação jamais porém deixou de ser autêntico. Sabedoria malandra e filosófica, integrado e simultaneamente à parte do todo de sua classe artística, é hoje ainda, um dos pioneiros, mesmo que, ao contrário de Gil, sua novidade nunca se apresente como inclusão de dados novos e reatualizados, mas sim como aquela novidade eterna da repetição do batuque da eterna alegria que diz sim ao próprio não, Gil e Caetano são além-dialéticos, Einsteinianos, Heraclitianos, Jorge Ben é Parmênides, mas como já nos ensina Heidegger e nos ensinam Cae e Gil e Jorge Ben, Parmênides que diz tudo estar parado é igual a Heráclito que afirma tudo estar em movimento.